berta cáceres vive

o assassinato de berta cáceres aconteceu quase um ano depois de ela ter recebido o prestigioso prêmio goldman, o máximo reconhecimento mundial para ativistas dedicados a temas ambientais. mesmo tendo denunciado as muitas ameaças de morte, assim como as diversas ameaças à sua família e o assassinato de seus companheiros e companheiras de luta, berta cáceres teve o mesmo destino de muitas e muitos ativistas destas latitudes… até quando? nesta edição, uma homenagem a ela e a todxs as guerreiras destas latitudes.

 

clique abaixo para ouvir o programa pelo computador:

clique para ouvir o programa

 

e abaixo para ouvir através de dispositivos móveis:

confira xs artistas e as canções desta edição

canción de cuna – poema de diana araújo pereira em sua própria voz
“canción de cuna” significa canção de ninar ou acalanto, um canto para tranquilizar o bebê e, assim, fazê-lo dormir. diana araújo pereira é poeta, tradutora e professora da universidade federal da integração latino-americana. foi presidenta da associação brasileira de hispanistas entre 2014 e 2016. ela  organizou e publicou diversos livros e artigos sobre literatura latino- americana e interculturalidade.
me robaron la historia
y todavía me duele el camino que no recorrí.
me robaron la piel
y me siento desnuda y con frío.
me tomaron el canto
pero aún me duele la melodía
que no prosigo cantando
que dentro mío no deja de sonar.
el sueño que tercamente me llama
el temblor que aligera los pies
todavía siento que me late
el deseo
el corazón
el secreto.
como una piedra descanso
la mirada en el cielo
y ahí me detengo y espero.
como un árbol sobrevivo
porque me quedaron raíces.
y cada vez que se asoma la luz
vuelvo a escuchar el canto,
la sonrisa y los pasos
que un día volverán a ser míos

 

todas las luchas – café guancasco cd de tributos guancascos y otras luchas
café guancasco é uma banda hondurenha formada em 2008 pelos artistas e ativistas políticos pavel núñez y pavel cruz. em 2009, graças a sua participação contra o golpe de estado em honduras e pela presença de núñez e cruz em espaços de opinião pública, o grupo ganha visibilidade nacional e internacional. o cd de tributos e guancascos y otras luchas  foi um dos álbuns mais populares da história de honduras apesar de ter sido alvo da censura.

 

cuando una amiga se va (à berta cáceres) – café guancasco
a canção “cuando un amigo se va” foi composta pelo cantor e poeta argentino alberto cortez e lançada em 1969 no disco el compositor, el cantante. em 2016, a canção ganhou uma nova versão interpretada pela banda café guancasco em homenagem a líder indígena hondurenha Berta Cáceres, assassinada em 3 de março 2016. berta protestava contra a extração ilegal de madeira, apoiou o feminismo, os direitos humanos e inúmeras questões indígenas.

 

território ancestral – poema de márcia wayna kambeba em sua própria voz
márcia wayna é uma artista e ativista nascida no estado do pará e pertencente a nação indígena omágua/kambeba. geógrafa e professora, márcia wayna retrata em sua arte a história do povo kambeba e a vida dos povos indígenas que vivem na cidade. o poema território ancestral está em seu livro “Ay kakyri Tama” ( “eu moro na cidade”), lançado em 2013.

maá munhã ira apigá upé rikué
waá perewa, waá yuká
waá munhã maá putari.
o que fazer com o homem na vida,
que fere, que mata,
que faz o que quer.
do encontro entre o “índio” e o “branco”,
uma coisa não se pode esquecer,
das lutas e grandes batalhas,
para terra o direito defender.
a arma de fogo superou minha flecha,
minha nudez se tornou escandalização,
minha língua foi mantida no anonimato,
mudaram minha vida, destruíram o meu chão.
antes todos viviam unidos,
hoje, se vive separado.
antes se fazia o ajuri,
hoje, é cada um para o seu lado.
antes a terra era nossa casa,
hoje, se vive oprimido.
antes era só chegar e morar,
hoje, nosso território está dividido.
antes para celebrar uma graça,
fazia um grande ritual.
hoje, expulso da minha aldeia,
não consigo entender tanto mal.
como estratégia de sobrevivência,
em silêncio decidimos ficar.
hoje nos vem a força,
de nosso direito reclamar.
assegurando aos tanu tyura,
a herança do conhecimento milenar.
mesmo vivendo na cidade,
nos unimos por um único ideal,
na busca pelo direito,
de ter o nosso território ancestral.
o que fazer com homem na vida
que fere, que mata,
que faz o que quer

 

luwübüri sigala (cerros de Tegucigalpa) – marcelina “masagu” fernandez guity cd the garifuna women’s project

“luwübüri sigala” (cerros de Tegucigalpa) é uma canção composta por marcelina fernandez guity e faz parte do cd the garifuna women’s project. este trabalho  busca ressaltar as vozes femininas da comunidade dos garífunas. localizada no litoral de 4 países da américa central (belize, guatemala, honduras e nicarágua), a comunidade garífuna formou- se a partir da fuga de escravizados africanos e do encontro destes com os índios caribenhos, durante o período colonial nas pequenas antilhas.

cortaron el árbol – guillermo anderson cd costa y calor

guillermo anderson foi um cantor e compositor hondurenho. falecido em 2016, guillermo anderson realizou importantes campanhas em seu país com temas sobre o meio-ambiente, saúde e alfabetização. foi nomeado embaixador cultural do país, por conta da sua atuação no panorama cultural de honduras . a canção “cortaron el árbol” faz parte  do cd costa y calor, lançado em 1999.

cortaron el árbol
que guardaba en su memoria
a tu familia y su historia
en el patio aquel.

cortaron el árbol
guía fiel de embarcaciones
soportaba los ciclones
en el puerto ayer.

cortaron el cedro aquél
de la avenida
y la acacia
tiernamente florecida
que alegró los días de tu juventud.

cortaron el árbol
la ceiba antillana hermosa
su raíz profunda y diosa
quedó triste en mi.

corren los venados
asustados y sedientos
fuertes llamas trae el viento
ya no llueve aquí.

cortaron el mango hermoso
de la plaza
el caimito que cobijaba tu casa
el ceibón de tu infancia
lo cortaron ya.

cortaron el árbol lo mataron
cinco señores se lo llevaron
va quedando el suelo descubierto
mi verde país se hace un desierto

solo la alegría de sembrar nos trae vida
la madre resentida volverá a reír.
quede en la conciencia del que siembra y se realiza
y la lluvia cual sonrisa se verá venir

solo echando fuera el mal del egoísmo
podrá el canto de las aves ser el mismo
que se quede el que prefiera la ignorancia
no solo cortándolo se hace ganancia
que llegue la hora
de sembrar aquí.

 

tierra de la mujer – erick de jesus & reyna bello

dedicada a nellys palomo, a canção “tierra de la mujer” foi composta e interpretada em tlaplaneco por reyna bello e erick de jesús. falecida em 2009,  nellys palomo foi uma psicoterapeuta e  ativista fundadora do conselho editorial cuadernos feministas (1997), do partido revolucionário dos trabalhadores (PRT). para atender mulheres indígenas grávidas de san luis acatlan, no méxico, ela fundou a casa da saúde da mulher indígena

 

de tierra fertil (bullerengue) – alterlatina cd feCunda

formada em 2001,  a banda alterlatina é  composta por sete pesquisadoras chilenas. a proposta do grupo é explorar os diversos cantos, sons e ritmos do continente a partir de composições próprias e versões de composições tradicionais. a canção “de tierra fertil” está presente no cd feCunda (2011) e é uma composição do grupo cantada em bullerengue, ritmo afro colombiano caracterizado pela uso do tambor, palmas e coro na execução das músicas.

 

si te dicen india – erick de jesus

composta pelo cantor mexicano erick de jesus, a canção “se te dien índia” é interpretada nos idiomas tlapaneco, mixteco, amusgo, nahuatl e em espanhol por erick de jesus em parceria com son las auroras em homenagem às mulheres nativas do estado de guerrero, no méxico.

dice el abuelo,
– ellos no saben de estrellas,
no importa que te digan india,
qué podrá enseñar quien no conozca las cosas bellas,
y no querrán verte digna,
solo por vestir tu raíz,
tu divina esencia.

tus ojos, saben esperar el mañana,
y platicarle al sol,
qué se siente mirar desde la más grande ventana,
tu cielo no tiene fronteras,
como el don que tienes para amar,
india, si, india a muchas leguas,
la que canta con los pájaros,
la que nuevas voces estrena,
la que hoy le arranca los versos,
a un juglar que le canta a las quimeras,
ser un sueño viviente es ilusión,
así tú,
enseñando y aprendiendo,
bella entre la gente,
sobre todas las miradas,
si, sobre todas ellas,
que importa que te digan india,
dice el abuelo,
que ellos no saben de estrellas…

 

semillas – macaco & lila downs
“semilla” é o nome da canção composta e interpretada por macaco em parceria com cantora mexicana lila downs. macaco é um projeto musical formado em 1997 e liderado pelo músico espanhol dani carbonell. a canção “semilla” foi lançada em 2015 e fala sobre a questão dos alimentos transgênicos destinados ao consumo humano.

soy semilla, I’m a seed
soy semilla, I’m a seed
soy semilla, I’m a seed
soy semilla
carne adulterada, plastificada
fruta atintada, con sabor a nada bien hinchada
la bruma de la noche, es gas por la mañana
la primavera se confunde, el invierno engaña
el calor de enero, no abriga nada el alma
olores envasados, flores al siquiatra
el gato no maúlla, el bosque se calla
el perro clonado que no ladra
la luna duerme inquieta, la tierra violada
exilio al campesino, la huella vacía que todo lo mata
la cola entre las piernas, la planta tumbada
la abeja suicida con miel en las alas
fábricas de hielo, paisajes al destierro
cuando la muerte venga a visitarme
no habrá tierra donde enterrarme
no…
ven, semilla de tierra sálvame y ven
santa alegría para nuestra flor
ven, semilla de vida sálvame y ven
no más semillas vacías
del santo del dolor
del santo del dolor
del santo del dolor
soy semilla, I’m a seed
soy semilla
flores que se clavan en floreros
campos sin agujeros, el pan sin cada día
las verdades en los huesos, abrochen cinturones
turbulencias en los cuerpos
la duda no existe en su cuaderno que vuelo
insomnio del respeto, el miedo entre sus manos
la puesta al sol, ellos la han ganado
la manzana no se pudre, estaciones de diez meses
sin grados en diciembre, la piel de la tierra escuece
ácido en el suelo, el aire sabe a fuego
cuando la muerte venga a visitarme
no habrá tierra, donde enterrarme, no.
ven, semilla de vida sálvame y ven
santa alegría para nuestra flor
ven, semilla de vida sálvame y ven
no más semillas vacías del santo del dolor
del santo del dolor
del santo del dolor
del santo del dolor
ven semilla…

 

anaha ya (aqui estoy) – chella torres cd the garifuna women’s project
chella torres é uma cantora nascida em belize. em 2008, ela  passou a integrar o the garifuna women´s project. neste mesmo álbum, chella canta também a canção “mérua” ao lado de desere diego.

 

somos – lengualerta cd rola la lucha zapatista

lengualerta é um projeto solo idealizado pelo mexicano rodrigo lópez, ex cantor da tijuana no, uma influente banda de rock e ska dos anos 90. o foco da iniciativa é a conscientização e transformação social através da música, poesia e elementos da cultura sound system. em 2011, lengualerta une- se ao aho colectivo, um coletivo multidisciplinar que integra músicos, fotógrafos e designers gráficos que lutam pelo direito a terra e recursos naturais.

 

 


compartilhe!

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
  • RSS
  • PDF
  • Email