e o mundo não se acabou… (ainda)

bom, se você chegou até aqui é bem provável que o mundo não tenha acabado…

nesta edição você vai encontrar uma trilha sonora para o fim do mundo. o fim de certos mundos, pelo menos. como esse da foto que acompanha este texto. saiba mais sobre a instalação the real toy story feita pelo fotógrafo michael wolf.

aproveite o embalo e envie pra gente uma foto ou um relato contando como (sobre)viveu ou como celebrou o dia 21 de dezembro de 2012. na próxima edição a gente publica tudo aqui. com mais trilha sonora para celebrar outros mundos possíveis, claro. ah, e um ótimo natal para você, mas sem o tal do ho ho ho, pode ser?

confira as canções e os artistas desta edição:

[spoiler title=”e o mundo não se acabou” open=”0″ style=”1″]

e o mundo não se acabou – tema recorrente na música, no cinema e nas artes em geral, a profecia do fim do mundo e seus efeitos são retratados com muito bom humor na letra de “o mundo não se acabou”, samba-choro de assis valente, gravado e lançado originalmente em 1938 na voz de carmen miranda, e interpretado aqui pela gaúcha adriana calcanhotto (voz e violão) no cd público (2000), o quinto de oito discos gravados pela artista.

[quote]

E o mundo não se acabou

Anunciaram e garantiram que o mundo ia se acabar
Por causa disto a minha gente lá em casa começou a rezar
Até disseram que o sol ia nascer antes da madrugada
Por causa disto nesta noite lá no morro não se fez batucada
Acreditei nessa conversa mole
Pensei que o mundo ia se acabar
E fui tratando de me despedir
E sem demora fui tratando de aproveitar
Beijei a boca de quem não devia
Peguei na mão de quem não conhecia
Dancei um samba em traje de maiô
E o tal do mundo não se acabou
Peguei um gajo com quem não me dava
E perdoei a sua ingratidão
E festejando o acontecimento
Gastei com ele mais de quinhentão
Agora soube que o gajo anda
Dizendo coisa que não se passou
Ih, vai ter barulho e vai ter confusão
Porque o mundo não se acabou

© Editora Irmãos Vitale
voz e violão: Adriana Calcanhotto

[/quote] [/spoiler] [spoiler title=”o último dia” open=”0″ style=”1″]

o último dia, canção composta por paulinho moska e billy brandão e interpretada por moska no disco pensar é fazer música (1995). tema de abertura de uma telenovela brasileira em 1996, “o último dia” foi uma canções que fizeram com que moska ficasse conhecido pelo grande público. moska é cantor, compositor, violonista e ator. foi diretor e curador do festival soy loco por ti américa, que foi realizado em diversas cidades brasileiras e também em bogotá, na colômbia, e que promoveu interessantes diálogos entre artistas brasileiros e artistas hispano-americanos. confira o vídeo.

[/spoiler] [spoiler title=”el mundo se cae” open=”0″ style=”1″]

el mundo se cae, canção composta e interpretada por perrozompopo (ramón mejía). o cantor nicaraguense, que comemora seu aniversário e o início de uma nova era com duas apresentações musicais, em 21 e 22 de dezembro, em um café na costa rica, está em fase final de preparação do seu novo disco, mundo, mas já adiantou e disponibilizou em seu site oficial, para download gratuito, uma de suas canções, “el perro y la flaca”. clique aqui e também aproveite para fazer o download.

[/spoiler] [spoiler title=”sobre mi cadáver” open=”0″ style=”1″]

sobre mi cadáver, composta e interpretada pelo artista panamenho cienfue, esta canção faz parte da terceira produção do músico, um disco duplo chamado la calma y la tormenta (2010), dividido em la extraña calma e tiempos de tormenta. o disco reforça o trabalho que o artista vinha desenvolvendo em outros discos, que busca dar um ar mais contemporâneo a ritmos tradicionais panamenhos ao combiná-los com o rock.

[/spoiler] [spoiler title=”el mundo” open=”0″ style=”1″]

el mundo, uma irônica composição, popularizada pela banda mexicana molotov. a canção “el mundo” está incluída no segundo cd da banda, apocalypshit, que foi lançado em 1999. molotov transita em seu trabalho pelo rock, pelo rap e pelos ritmos do norte mexicano. é frequente em suas canções o uso do espanhol, do inglês e do spanglish – com letras que frequentemente aludem aos conflitos fronteiriços, econômicos, políticos e culturais entre méxico e estados unidos. assista o videoclipe da canção.

[/spoiler] [spoiler title=”voy a resucitar” open=”0″ style=”1″]

voy a resucitar, da banda de rock chilena chancho en piedra. formada na década de 90 como um projeto dos amigos e companheiros de colégio eduardo ibeas (lalo) e pablo ilabaca (k-v-zón), a banda é conhecida por adotar bonecos de plástico com aparência de suíno, o “juanito”, como ícone do grupo. “voy a resucitar” faz parte do disco rindanse terrícolas.

[/spoiler] [spoiler title=”humanidad” open=”0″ style=”1″]

humanidad, da rapper chilena anita tijoux, que inicia carreira em 1997 como vocalista do grupo de hip hop makiza, com a qual gravou três discos. em carreira solo, junto com a banda formada pelos músicos andrés celis (teclado), dj dacel (tornamesa) e max reyes (bateria), anita se destaca com seus versos que trazem temáticas com crítica social.

[/spoiler] [spoiler title=”gozar hasta que me ausente” open=”0″ style=”1″]

gozar hasta que me ausente, do cd homônimo, é um canto-mantra que paloma kippes compôs com rafael d’andrea a partir da seleção de coplas mais do que inspiradas do poeta remo leaño. o destaque aqui neste canto que celebra a vida é, além da bela voz de paloma, o charango de guillermo porro:

[/spoiler] [spoiler title=”ofrenda” open=”0″ style=”1″]

ofrenda, do cd homônimo (2001), do cantor e compositor espanhol pedro guerra. neste disco pedro guerra aposta na diversidade cultural, com os diferentes artistas convidados (lenine, daniela mercury, julieta venegas) e também com a diversidade de instrumentos produzindo diferentes sonoridades.

[/spoiler] [spoiler title=”ya me voy” open=”0″ style=”1″]

ya me voy, de doña maría, banda que tem como vocalista a argentina maría josé e como músicos juan ignacio serrano (guitarra), sergio garcía marín (contrabaixo), dj raffa (scratch e sampler), fernando radl e marcelo von schultz (percussão), e que propõe a mescla das tradições musicais da argentina com a música eletrônica. “ya me voy” é uma tradicional baguala composta por aurora saravia.

[/spoiler] [spoiler title=”ta to bien” open=”0″ style=”1″]

ta to bien, do álbum mira lo que viene, de rita y sus manos, banda que surge em 2005 e propõe a busca pela espiritualidade através da música. eles combinam sons ancestrais, indígenas, afro, com a música eletrônica, resultando num trabalho positivo e otimista, em que se busca uma relação com a vida e a natureza.

[/spoiler] [spoiler title=”tiempo paralelo le” open=”0″ style=”1″]

tiempo paralelo le, de héctor buitrago, do cd conector (2006). buitrago integra junto com andrea echeverri a banda colombiana aterciopelados. em paralelo à banda, ele lançou o projeto solo, conector, em busca de unir pensamentos, sentimentos, vivencias, que surgem das experiências harmônicas entre o contemporâneo e o ancestral. este projeto resultou na produção de conector ii (2012). conheça mais sobre hector buitrago:

[/spoiler] [spoiler title=”estar vivo” open=”0″ style=”1″]

estar vivo, de ripe banana skins, banda de assunção, paraguai, que se destaca na cena rock por combinar a este gênero o ska , o reggae, o punk, criando um som que caracteriza a banda pela vitalidade, alegria e atitude positiva diante da vida. “estar vivo”, composição de pablo garcía e andrés selich, faz parte do álbum ripe banana skins (2005):

[/spoiler] [spoiler title=”el burrito sabanero” open=”0″ style=”1″]

el burrito sabanero, é uma versão da banda equatoriana rocola bacalao da música el burrito sabanero de hugo blanco. rocola bacalao mistura cumbia, merengue, salsa, ska, reggae, swing, música tradicional equatoriana e rock’n’roll, dando um toque de originalidade às suas canções. burrito sabanero faz parte do cd + aniñados q’ nunca.

[/spoiler]

compartilhe!

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
  • RSS
  • PDF
  • Email