o tempero, a ternura e a loucura de karina rabinovitz no festival latitudes latinas

currículo

meu nome eu mesma.
meu endereço em mim.

meu cadastro de pessoa física este corpo,
que dentro é céu e é jardim.

meu registro geral não foi registrado
e desde meu nascimento,
numa quarta-feira de cinzas,
nutro certo encantamento,
por tudo que não é numerado.

meu telefone anda ocupado,
uma família de pássaros fez um ninho
bem no fio da minha linha
desde então, ali só se aninha
o canto de uma mãe que espera.
pra falar comigo,
só mesmo depois da primavera,
quando do nascimento do novo passarinho.

minha formação profissional
segue um caminho
amador.
insisto no amor.

minhas atividades atuais:
pensar na vida
e uma corrida sem fim à beira-mar…
encontrar saídas e
encontrar entradas,
para essa vontade desmedida
de viver, de amar.

por fim, minhas referências pessoais,
é melhor que eu não diga
ou que você pergunte a ninguém…
elas serão sempre mais.

mais verdadeiro
é que você descubra,
na convivência comigo,
meu tempero,
minha loucura,
minha ternura,
meu desassossego…

então?
é meu, o emprego?

(karina rabinovitz, livro do quase invisível)

seu tempero, sua ternura, seu desassossego… que tal conhecer um pouco dessa poeta soteropolitana, que estará com a gente no festival latitudes latinas?

ela participará do sarau poético, junto a Angélica Freitas (RS),  Zéfere (MG), entre outros convidados. será realizado no Lalá Multiespaço (Rio Vermelho), no dia 24 de outubro, a partir das 20h.

saiba mais sobre a poeta

Karina Rabinovitz é poeta. Trabalha em parceria com a artista Silvana Rezende desde 2005, experimentando e realizando interações entre poesia e artes visuais, criando livros-objetos, instalações audiovisuais, objetos poéticos e intervenções urbanas. Tem 5 livros de poemas publicados, mas é que eu não sabia que se pode tudo, meu Deus! (2014), O LIVRO de água (2013), poesinha pra caixinha [de fósforo] (2012), livro do quase invisível (2010) e de tardinha meio azul (2005). Participa da coletânea Autores Baianos – um Panorama (2013), com 5 poemas traduzidos para o espanhol, inglês e alemão.

conheça o seu premiado vídeo às avessas:

e aproveite para ver algumas fotos de karina rabinovitz durante a primeira edição do festival latitudes latinas:

 


compartilhe!

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
  • RSS
  • PDF
  • Email