negroagosto

o mês de agosto é negro. assim foi batizado nos anos 70 em função das mobilizações protagonizadas por integrantes do movimento negro nos estados unidos, que se uniram em diversas ações contra o racismo. entre os grupos que se mobilizaram destacam-se o movimento black power e os panteras negras, que ampliaram a pauta dos debates. mas agosto é também o mês em que aconteceu na bahia – em 1798 – uma mobilização que ficou conhecida como revolta dos búzios e que tinha entre suas principais reivindicações o fim da escravidão. hoje a data se caracteriza por ações que, além de manterem vivas as questões relacionadas ao racismo e às muitas e persistentes desigualdades, inclui também uma série de iniciativas de valorização das tradições afrodescendentes. e como parte destas iniciativas de valorização, nada melhor que contar, recontar e difundir histórias pouco conhecidas por aqui.

[spoiler title=”canchimalero ” open=”0″ style=”1″]

de alberto caleris, músico argentino de nascimento que desde 1986 pesquisa os ritmos e canções afroequatorianas, adicionando acordes e elementos com sonoridades urbanas. fiesta en el mar é um projeto de quatro discos: cayapa, fiesta en el mar, bandas de serenata e diabluras y santerías. “canchimalero” é uma canção sobre a festa celebrada em 2 de novembro na ilha de canchimalero pertencente à província de esmeraldas, no equador. neste dia é reverenciado san martín de porres, o santo negro. confira abaixo a letra da canção e o vídeo el santo negro de canchimalero.

[quote style=”1″]

van bajando las canoas con las flores
los devotos de los santos olvidados
el mar brilla en la mirada de los niños
y la luna envuelta en hojas de limones

van bajando del cayapa del onzole
serpentinas y maderas de eucaliptos
la vida es una esperanza maltratada
entre olores de sahumerios y los lirios

tu mirada es una atarraya
que se enreda en las manos del viento
el mar es manso y bueno este día
nos llevara hasta el sol de la orilla

canchimalero, pueblo de negros
fiesta en la playa, los santos negros
cantan arrullos, los andareles
bailan la misa entre laureles

vestidos blancos, las faldas negras
vomo papeles vuelan al cielo
niña africana, niño africano
corazón cuida de mi pasado

entre arrullos y marimbas los cununos
van metiéndose entre rosas y perfumes
una niña baila con un unicornio
y un tren baja desde el cielo con naranjas

un anillo de saturno baja solo
se emborracha con el ritmo de la banda
don remberto saca a “baila” a la lucia
y en el pueblo el sol ya trae la mañana.

[/quote]

[/spoiler]

[spoiler title=”balafones en la siesta” open=”0″ style=”1″]

composição que faz parte do cd tangó de san miguel – candombe del litoral argentino. este trabalho é resultado da  pesquisa desenvolvida pelo músico e pesquisador argentino pablo suárez sobre a história e a cultura das comunidades negras que habitaram a região do rio paraná, na cidade de paraná, argentina, no século xix. veja a seguir pablo suárez na série “um viaje al país de los panzas verde”, produzida pelo canal encuentro.

[/spoiler] [spoiler title=”oda raizal ” open=”0″ style=”1″]

conhecido como “el brujo”, alfonso córdoba também era chamado de “el davinci negro” por suas qualidades criativas e a extensão de sua obra. foi compositor, intérprete, ourives, luthier e importante pesquisador de ritmos colombianos. faleceu em 2009, aos 83 anos, deixando vários projetos inacabados, como o de reunir um coro de crianças para cantar à capela uma seleção de cantos tradicionais do pacífico colombiano e um trabalho inédito com a “orquestra guayacán”.

[/spoiler] [spoiler title=”son del monte” open=”0″ style=”1″]

de la malamaña, uma orquestra de salsa formada em 2007 em quito, equador, onde seus 14 jovens músicos de diferentes cidades do país se encontram para construir uma proposta de salsa quitenha. influenciada pelas grandes orquestras de salsa e inspirada por elementos da cumbia e da timba cubana, lançou seu primeiro cd, manual de urbanidad y buenas costumbres (2011), no qual se propõe a um processo de criação de temas inéditos com uma sonoridade própria.

[quote style=”1″]

la historia de la montaña
que se quemaba mientras los pájaros pifiaban
la historia del riachuelo
envenenado día a día cual si fuera un basurero
¿qué pasó aquí, qué pasó allá?
fuera bonito que el minero y petrolero se llevaran su porquería
¿y ahora quién ayudará?
no creo que la virgen habrá abra el cielo y salve ni a un carpintero
triste es la realidad
si se espera que un político cabrón hable la verda’
y si es así su realida’
a destruir lo que se pueda hasta acabar con este injusto sistema

monte adentro

vamo’ a cantarle al monte
con sus soncito ligero
vamo’ a cantarle al monte
por que en el monte me quedo

vamo’ cantándole!!
a esa linda y verde montaña
para que no se vaya
con mi machete y su vaina

pal monte yo me voy
vamo’ cantandolee
pa’l monte yo me voy

la madre tierra tan maltratada
enajenada ayayay
en el concreto agua y aire despreciado
vamo’ cambiemo’ eso

(granda/caraguay)

[/quote]

[/spoiler] [spoiler title=”rebelión” open=”0″ style=”1″]

de joe arroyo, cantor e compositor colombiano que ficou conhecido como “el sonero de américa”. depois de integrar importantes grupos de salsa, em 1981 funda sua própria orquestra, la verdad, quando se dedica a misturar influências musicais diversas, como salsa, cumbia,  porro e ritmos do caribe com elementos de reggae, até criar seu próprio ritmo, conhecido como “joesón”. joe arroyo morreu em 2011 aos 55 anos.

[quote style=”1″]

en los años 1600, cuando el tirano mandó
las calles de cartagena, aquella historia vivió
cuando aquí, llegaban esos negreros,
africanos en cadenas, besaban mi tierra
esclavitud perpetua (esclavitud perpetua)

un matrimonio africano,
esclavos de un español
que les daba muy maltrato,
y a su negra le pegó
y fue alli´, se reveló el negro cocó
tomó venganza por su amor,
y aun se escucha en la verja
no le pegue a mi negra (no le pegue a la negra)

oyeme, no le pegue a la negra
no le pegue a la negra…
esa negra se me respeta
eh…que aun se escucha, se escucha en la verja
no, no le pegue

abusador que le pega a la negra
pa’ que el alma se me revela
no no no no no le pegue a mi negra na’
porque el alma se me agita mi prieta
no le pegue a la negra

[/quote] [/spoiler] [spoiler title=”le olé olé le olé olá hay golpe” open=”0″ style=”1″]

canção dos venezuelanos do tambor urbano.  o   grupo foi criado com objetivo de divulgar elementos da  tradicional música da venezuela,  como o golpe de tambor, as  tonadas e as danças. para isso, eles combinaram diferentes ritmos de tambores e tonadas de diferentes regiões do país. tambor urbano  usa como base a rítmica do tambor cumaco e  as guaruras. o cumaco é um tambor feito a partir de um tronco largo, de 1 a 2 metros,  finalizado com couro de vaca ou veado.  a guarura é um tipo de caracol usado como instrumento de sopro.

[/spoiler] [spoiler title=”oye mulata” open=”0″ style=”1″]

formado  partir do encontro de artistas cubanos e franceses, o grupo p18 apresenta no repertório  ritmos afrolatinos e eletrônicos. a banda conta com cerca de quarenta membros, e seu nome vem do bairro distrito 18, em paris, onde foi gravado o primeiro cd do grupo.

[/spoiler] [spoiler title=”santo negro” open=”0″ style=”1″]

do cantor e compositor hondurenho guillermo anderson. o artista tem realizado importantes campanhas em seu país, com temas sobre o meio-ambiente, saúde e alfabetização. por conta da sua atuação no panorama cultural de honduras, guillermo foi nomeado embaixador cultural do país. a canção “santo negro” se inspira na cultura garífuna, uma importante comunidade afrodescendente que habita parte de honduras, belize, guatemala e nicarágua. nesta canção, guillhermo conta com participação nos vocais de aurelio martínez, um dos cantores garífuna mais conhecidos.

[/spoiler] [spoiler title=”ritmos negros del perú” open=”0″ style=”1″]

nicomedes foi um dos poetas peruanos a tratar da questão do preconceito racial no peru. a décima, expressão da cultura popular, foi um instrumento usado por nicomedes para condenar o racismo, os estereótipos e construir outra representação das culturas negras. “ritmos negros del peru” é um décima bastante conhecida do poeta que fala sobre a chegada dos negros escravizados ao peru. confira também o documentário afro-peruanos produzido pelo projeto la voz de los sin voz.

[quote style=”1″]

ritmos de la esclavitud
contra amarguras y penas.
al compás de las cadenas
ritmos negros del perú.
de áfrica llegó mi abuela
vestida con caracoles,
la trajeron lo´epañoles
en un barco carabela.
la marcaron con candela,
la carimba fue su cruz.
y en américa del sur
al golpe de sus dolores
dieron los negros tambores
ritmos de la esclavitud

por una moneda sola
la revendieron en lima
y en la hacienda “la molina”
sirvió a la gente española.
con otros negros de angola
ganaron por sus faenas
zancudos para sus venas
para dormir duro suelo
y naíta´e consuelo
contra amarguras y penas…
en la plantación de caña
nació el triste socabón,
en el trapiche de ron
el negro cantó la zaña.
el machete y la guadaña
curtió sus manos morenas;
y los indios con sus quenas
y el negro con tamborete
cantaron su triste suerte
al compás de las cadenas.

murieron los negros viejos
pero entre la caña seca
se escucha su zamacueca
y el panalivio muy lejos.
y se escuchan los festejos
que cantó en su juventud.
de cañete a tombuctú,
de chancay a mozambique
llevan sus claros repiques
ritmos negros del perú.

[/quote] [/spoiler] [spoiler title=”ritmos negros” open=”0″ style=”1″]

faz parte do cd afro (2005) do grupo peruano novalima. nesta canção encontramos trechos da voz de nicomedes santa cruz ao recitar a décima “ritmos negros del perú”. novalima é uma banda formada por músicos que viviam em diferentes países e ao se encontrar decidiram criar novas possibilidades sonoras a partir da combinação  da música afro-peruana com elementos da música eletrônica. conheça mais sobre novalima no vídeo:

[/spoiler] [spoiler title=”cachaíto in laboratory” open=”0″ style=”1″]

composição do baixista orlando “cachaíto” lopez e faz parte do cd cachaíto in laboratory (2001). cachaíto nasceu em 1933, em cuba,  numa família de músicos  baixistas, cerca de 30,  entre eles seu tio – o lendário israel cachao lopez. ainda criança se interessou pelo violino, mas seu avô disse que deveria estudar baixo. ao longo da carreira, cachaíto fez parte de diversas orquestras, mas ganhou maior notoriedade no projeto  buena vista social club, que trouxe a história e a beleza da música cubana para o mundo. cachaíto morreu em fevereiro de 2009. conheça mais sobre o músico no vídeo abaixo:

[/spoiler] [spoiler title=”no habla na'” open=”0″ style=”1″]

faz parte do cd voodoo love inna champeta-land (2007), do colombiafrica-the mystic orchestra. este projeto surge sob a direção do guitarrista e arranjador congolês bopol mansiamina e com a produção musical de lucas silva, pesquisador da música afro-colombiana. eles buscaram trazer uma nova linguagem musical oriunda do encontro de músicos da áfrica e da diáspora latino-americana.

[/spoiler] [spoiler title=”pampa esquema novo” open=”0″ style=”1″]

esta canção faz parte do cd pampa esquema novo do poeta, cantor, compositor  richard serraria. neste projeto richard trabalha a percussão do cone sul, pensando na influência da cultura negra neste espaço. o ponto de partida é a sonoridade do tambor de sopapo, instrumento que representa a matriz negra no sul do rio grande do sul, que se combina aos ritmos da música afro dos estados brasileiros  e dos países da região platina. “pampa esquema”, composta por richard serraria e marcelo da redenção, combina candombe com maracatu. confira a letra e o vídeo.

[quote style=”1″]

mulata que samba / na lata que bate
o samba dos bambas / samba de verdade
na mesa do bar / no alto do morro
no chão do quintal / samba é desafogo
quem chora nas cordas do seu violão
quem bate o sopapo é a palma da mão
afasta a tristeza / copo de cachaça
descendo a garganta fazendo pirraça.
malandro, o samba é da cor do povo
nascendo no pampa esquema novo
malandro, o pampa é da cor de um sonho
candombe e tango é livre o choro.
mulata que sonha no dia acordada
na noite que voa na saia rodada
quer mais que comida amor e paixão
procura a cadência, imperador coração
mulata quer ver seu filho crescer
e o filho do filho mulata quer ver
cidade teu nome é mulata maria
conceição tem fome da tua alegria
o nome do santo / sua casa é a rua
esquina do espanto / mandinga pra lua
oxossi guerreiro de lança na mão
são jorge luzeiro caçando o dragão
comissão de frente quebrando corrente
salve padroeiro quem protege a gente
xangô justiceiro maraca truvão
tangueando na frente legüero no chão

[/quote] [/spoiler]

compartilhe!

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
  • RSS
  • PDF
  • Email