Poemas de Bas’Ilele Malomalo

Bas’Ilele Malomalo é natural do Congo. Possui graduação em Filosofia pelo Grand Seminaire Fraçois Xavier – Filosoficum e em teologia pelo Instituto São Paulo de Estudos Superiores – Itesp. Escreveu seus poemas no cadernos negros 27 e estará presente no sarau do  aniversário do latitudes latinas. outras informações sobre a programação clique aqui.

 

Minha macumba é axé

Minha macumba é axé
Macumba do dia, da noite
Macumba do mar, do ar
Macumba do sol, da lua
Minha macumba é axé
Macumba do feitiço feito
Macumba do preto-velho velado
Macumba da ginga gincana
Minha macumba é axé
Macumba do sorriso sucedido
Macumba do batuque batendo
Macumba do Candomblé cantando
Minha macumba é axé
Macumba das simpatias sinceras
Macumba das paixões sentadas
Macumba das amarras removidas
Minha macumba é axé
Macumba da escravidão, resistência
Macumba da abolição, cidadania
Macumba da escuridão, negritude-raça
Minha macumba é canto, é dança
Macumba da catacumba de um povo
que morre, renasce, de um povo que canta
e dança o banzo, a vida, o amor na terra.

MALOMALO, B. Minha Macumba é Axé. In: Cadernos Negros: Poemas Afro-Brasileiros. Vol. 27. Quilombhoje: São Paulo, 2004, p. 18.


compartilhe!

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
  • RSS
  • PDF
  • Email