poemas de chacal

Inspirado pelo estilo sintético e bem humorado do poeta Oswald de Andrade, Ricardo de Carvalho Duarte, mais conhecido como Chacal, começou a escrever poesias. Nascido em 24 de maio de 1951, no Rio de Janeiro,  Chacal fez parte dos jovens poetas da geração mimeógrafo, com a poesia marginal, nos anos 70. Ele fundou, ao lado de Peixoto, Bernardo Vilhena e Ronaldo Bastos, o grupo Nuvem Cigana, que se apresentava na cena carioca. Publicou seu primeiro livro Muito Prazer, em 1971, e fez parte coleção literária Vida de Artista. Ele fundou também o CEP 20.000 (Centro de Experimentação Poética). Sua obra poética inclui “Nariz Aniz” (1979), “Boca Roxa” (1979), “Comício de Tudo” (1986) e “Letra Elétrika” (1994), A vida é curta pra ser pequena (2002).

 

reclame

se o mundo não vai bem
a seus olhos, use lentes
… transforme o mundo.

ótica olho vivo
agradece a preferência

 

uma palavra

uma
palavra
escrita é uma
palavra não dita é uma
palavra maldita é uma palavra
gravada como gravata que é uma palavra
gaiata como goiaba que é uma palavra gostosa

 

rápido e rasteiro

vai ter uma festa
que eu vou dançar
até o sapato pedir pra parar.
aí eu paro, tiro o sapato
e danço o resto da vida

 

“só dos terratenientes”

não tenho nenhuma observação
a fazer sobre a vista da varanda.
nenhuma,
a não ser o céu largo e iluminado
dos subúrbios do rio de janeiro.
céu q se alonga ao longo do mundo inteiro.
não é de todo mundo a terra q é redonda.

 

20 anos recolhidos

chegou a hora de amar
desesperadarnente
apaixonadamente
descontroladamente
chegou a hora de mudar o estilo
de mudar o vestido
chegou atrasada como um trem atrasado
mas que chega

 

cinemascope caleidoscópio

a vida é um cristal
que se reflete em pedaços
a vida como ela é
é a coleção dos cacos
vi um filme que aladim
da lâmpada tirava um gênio
ele era james dean
e tinha a cabeça a prêmio
eu parti do irajá
passando por paraty
eu ainda chego lá
até onde quero ir
vi um filme que fellini
fez um ensaio de orquestra
tinha tiro de canhão
e acabava numa festa
se no mato me perdi
nesse mato me acharei
entre mais de mil picadas
numa delas sou o rei
eu vi deus e o diabo
dançando na terra do sol
glauber rocha era o máximo
tão bom quanto rock and roll
minha estrada é um filme
cheio de amor e ódio
pra onde quer que me vire
cinemascope caleidoscópio.


compartilhe!

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
  • RSS
  • PDF
  • Email