poemas de taíssa cazumbá

poetisa, taíssa cazumbá declama em várias localidades de salvador e também nas suas viagens de ferry boat. a seguir, conheça alguns de seus poemas.

 

Eu Não Tô Nem Aí

O problema é teu
E eu com isso?
Quem pariu Mateus que se balance
Porque eu não tô nem aí
Se ergueu o mastro então alcance
Se as pessoas passam fome na Etiópia
Não tô nem aí se o Brasil perdeu a Copa
E eu com isso?
Se seu filho usa drogas
O pepino é todo seu
E eu com isso?
Se foi preso o inocente
Se tem mais uma pessoa doente
Eu é que não tô nem aí
Ah… Se o presidente roubou
Se o mendigo chorou
Se o menino matou
Se a mulher se suicidou
Se a menina abortou
Eu não tô nem aí
Me diz, Brasil, e eu com isso?
Se o emprego ocê perdeu
E você não mereceu
Mas entenda!
É que o problema não é meu.

Se a casa cair
Se o mundo explodir
Eu não tô nem aí
E se vão falar de mim
Por mim, posso não estar mais aqui
Se ninguém for ao meu enterro.
Eu não to nem aí
O problema só será meu
Não quero cuidar do meu
Porque vou cuidar do seu?
Eu é que não tô nem aí
Se a vaca não der mais leite
Se todos morrerem de sede
Se seu filho não sabe ler
O problema é todo seu
Se o policial também é bandido
Eu não tô nem aí
Sei que ninguém vai se lembrar de mim
Mas eu não tô nem aí
Tenho uma dúvida enorme:
Se eu me mover
Será que o mundo vai me conhecer?
Não… Acho que não!
Por isso é que eu não tô nem aí!

 

Viver Mais

Queria viver mais e envelhecer menos
Queria viver mais e perder meu medo
O medo da velhice
Não pelas rugas
Não pela pele mastigada e sim pelo atraso mental
Não pela coluna cansada e sim pelo sim a sociedade

Queria viver bem mais para provar ao mundo
Que não é só ele que dá voltas em torno de si mesmo
Eu também consegui dar voltas em torno dele
E que ele também deu voltas em torno de mim
Mas eu consegui firmar-me a todo o instante

Queria viver mais para poder mostrar ao Sol
Que não é só ele que consegue iluminar as pessoas
Eu também consegui e cada raio meu que incidia
Dava mais um dia de vida para alguém desesperado

Queria viver mais e mostrar para Einstein
Que nem sempre a resposta certa
seria a melhor resposta

Queria viver mais tempo e provar pro tempo
Que ele não nos dá tanto tempo
Para fazermos tudo o que queremos

Eu queria viver mais e agradecer à insônia
Por me livrar dos pesadelos
Eu queria viver mais
E ao chegar ao ápice da minha velhice
Amar ainda minha tatuagem
E usar meus jeans rasgados

Queria viver mais e não lembrar dos que se foram
Dos que não conseguiram intervir para os problemas sociais
Os que ao ter o mundo nas mãos deixaram-no cair
Eu queria viver mais, e ainda mais, apesar de tudo o mais…
sorrir demais

Eu queria viver mais e ver que meus rins e meus pulmões
Apesar de tudo, ainda estão bons
Eu queria viver mais, mas talvez não viva tanto
(Apesar de acreditar na cigana)
Pela imensa vontade, pelo imenso desejo…
De viver mais.

 

Dissolução

Tudo que pra mim era certo
Agora é errado
Tudo o que pra mim era errado
Tornou-se certo
Tudo que pra mim levava tempo
Tornou-se rápido
O que pra mim era comédia
Tornou-se tragédia
Tudo o que pra mim era vital
Tornou-se mortal
Tudo o que pra mim era novo
Tornou-se arcaico
Tudo que pra mim era muito
Tornou-se pouco
O que pra mim era banal
Tornou-se essencial
Tudo o que pra mim fez-me rir
Não tem mais graça
Tudo o que pra mim era bom
Tornou-se uma desgraça
O que pra mim era riqueza
Tornou-se pobreza
Tudo o que pra mim era leal
Tornou-se falso
Tudo o que pra mim era pequeno
Ganhou espaço
Só tempo é quem faz
Só o tempo é quem desfaz
Só tempo refaz

 

A Saga do Sábio e do Sabiá

O sabiá sabia que o sábio sabia mais que ele
O sábio também sabia que o sabiá cantava mais
E nesta saga tão serena encontrou-se um problema
O sabiá de uma grande árvore resolveu se atirar.
Mas seu instinto de ave o levou a voar.
O sábio também resolveu se jogar.
Mas depois percebeu que não tinha asas de sabiá.
O sabiá fez-se forte
E tentou ao sábio alcançar
Com muito peso em suas costas
Conseguiu o salvar
Logo, ambos perceberam que juntos eram perfeitos
O sábio fez a poesia
E o sabiá pôs-se a cantar.
Cada qual tem o seu dom
Uns cantam, uns dançam
E outros fazem som.
Ser sábio ou sabiá?
Tanto faz pra quem sonhar!
O melhor de tudo é poder se revelar.
Você faz sua melodia
Eu faço a minha arte
Você faz a poesia
E vamos a qualquer parte.

Tenho um poema escondido
No meio de um livro em algum lugar
Tenho um grande irmão, um grande amigo
Pra ele eu posso revelar

Não se trata apenas de versos
São pensamentos complexos
Que invadiram o meu ser

Falei de todas as dores
Falei dos rumores
Que um dia eu vi nascer

Se todos os homens fossem fiéis
Recitaria pro mundo
O que tem de profundo
Naqueles velhos papéis

 

Ambição

Assim como o bico da andorinha orienta o seu vôo
A nossa mente orienta nossos passos
Buscando espaços
Que talvez nunca nos serão dados

A vida conspira pra que sempre busquemos
E por mais que alcancemos
Nunca nos será o bastante
Nunca estaremos saciados

Se no deserto buscamos oásis
No oásis queremos um castelo
E no castelo exigimos a melhor cama
Na melhor cama almejamos a mais bela dama

Fonte: http://taissacazumbartpoesia.blogspot.com.br/


compartilhe!

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
  • RSS
  • PDF
  • Email