tambores e saberes do sul

vissungos, maçambique, quicumbi, candombe, balafones… nesta edição você confere instrumentos, sons, cantos e saberes que – por alguma misteriosa razão – acabaram ficando fora da história musical e cultural destas latitudes… você vai ouvir vozes garífuna, afroparaguaias, e um longo etcétera. aproveite e conheça algo mais sobre os griôs e sobre os vissungos aqui. Confira também o trabalho que nossos amigos do alabê ôni vêm fazendo em torno ao tambor de sopapo.

confira as canções e os artistas desta edição

[spoiler title=”pelebe nitobe” open=”0″ style=”1″]

composta por mateus aleluia e dadinho, e interpretada por mateus e thalma freitas, a canção “pelebé nitobé” é parte do primeiro disco solo de mateus aleluia, depois de longa carreira no grupo os tincõas. natural de cachoeira, bahia, mateus aleluia é compositor de música popular brasileira, instrumentista e cantor. thalma de freitas, filha do maestro laércio de freitas, se apresenta como cantora desde os 17 anos e desenvolve paralelamente uma carreira como atriz. confira o vídeo da canção.

[/spoiler] [spoiler title=”alabê ôni” open=”0″ style=”1″]

com o grupo alabê ôni, é uma composição de domínio público; é uma homenagem aos tamboreiros e faz parte do batuque de nação oyo ijexa.
alabê ôni é um grupo gaúcho de percussionistas, compositores e pesquisadores da cultura negra na américa platina, integrado por richard serraria, walter pingo, kako xavier e mimmo ferreira.

[/spoiler] [spoiler title=”cangoma” open=”0″ style=”1″]

este tradicional canto de escravos, gravado na década de 70 por clementina de jesus, faz parte do cd astrolabio tucupira.com.brasil (2000) do mawaca, grupo brasileiro formado por sete cantoras e seis músicos que pesquisa e recria músicas de diversas partes do mundo. esta versão de “cangoma” conta com a participação especial de eduardo contrera.

[/spoiler] [spoiler title=”balafones en la siesta” open=”0″ style=”1″]

composição que faz parte do cd tangó de san miguel – candombe del litoral argentino, que é resultado de um amplo trabalho de pesquisa desenvolvido pelo músico e pesquisador argentino pablo suárez sobre a história e a cultura das comunidades negras que habitaram a região do rio paraná, na cidade de paraná, argentina, no século XIX.

[/spoiler] [spoiler title=”canto II” open=”0″ style=”1″]

do cd o canto dos escravos, interpretada por clementina de jesus, conhecida como mãe quelé, a rainha negra da voz. lançado em formato digital, 21 anos após ter sido lançado em LP, este disco reúne 14 vissungos, que são cantos ancestrais dos negros benguelas, de são joão da chapada, em diamantina, minas gerais. estes vissungos são interpretados no disco por clementina de jesus, geraldo filme e tia doca.

[/spoiler] [spoiler title=”banana boat (day’o)” open=”0″ style=”1″]

com dinho nascimento. esta canção ficou famosa na voz de harry belafonte, cantor e ativista estadunidense de ascendência jamaicana. em seu disco berimbau blues, dinho nascimento explora a versatilidade do berimbau e o faz dialogar com ritmos e saberes musicais de diversas latitudes, a exemplo do blues e desta bela versão de banana boat.

[/spoiler] [spoiler title=”ndje mukanie (ruanda/zaire)” open=”0″ style=”1″]

do disco de boca en boca, do quarteto vocal de boca en boca, grupo de jovens argentinas que buscam vozes e sons de diferentes lugares do mundo, reproduzindo-os com timbres e sonoridades próprias de instrumentos de cada região.

[/spoiler] [spoiler title=”a princesa é uma senhora” open=”0″ style=”1″]

canção de autoria de richard serraria e  marcelo (da redenção) cougo;  é uma das vinhetas que fazem parte da trilha sonora do documentário sopapo – o grande tambor, que documenta a história construída pela população negra mais ao sul do brasil. assista abaixo ao documentário.

[/spoiler] [spoiler title=”no meio da praça” open=”0″ style=”1″]

canção de kako xavier, que também faz parte do repertório musical  do projeto alabê ôni. o projeto é formado por músicos pesquisadores que têm se dedicado à recuperação da história do tambor de sopapo, instrumento de pouco mais de um metro de altura e 60 cm de diâmetro, que ressoa um grave absoluto e tem uma forte relação com as práticas da cultura negra e sua contribuição para a construção cultural do  rio grande do sul.

[/spoiler] [spoiler title=”tali-lali-lali-lê” open=”0″ style=”1″]

esta  canção integra o cd áfrica gerais (1996), que é  o primeiro álbum da carreira do  músico, cantor, ator e compositor mineiro  mauricio tizumba. tizumba inicia seu percurso artístico nos anos sessenta, destacando a influência das culturas afro-brasileiras. o congado mineiro, símbolo de expressão da cultura negra em minas gerais, tem grande relevância em sua produção, como se pode conferir na canção de  “tali-lali-lali-lê”.

[/spoiler] [spoiler title=”glefe & giba gigante negão” open=”0″ style=”1″]

tema que também faz parte do repertório do projeto alabê oni. glefe, composição de domínio público, é um toque percussivo em homenagem à extinta nação glefé; giba gigante negão, composição de richard serraria em homenagem ao percussionista  gaúcho giba giba.  confira  o vídeo da canção.

[/spoiler] [spoiler title=”santitos” open=”0″ style=”1″]

composição de vivi pozzebón que faz parte do seu segundo álbum madre baile. “santitos” é um afro-chamamé que a partir da semelhança que vivi percebeu entre o gauchito gil, de corrientes e o elegua, orixá presente em cuba e no brasil, assim como entre iemanjá e a difunta correa, combina o chamamé argentino com congas, batás e o bembé, ritmo afro-cubano.

[/spoiler] [spoiler title=”fuleisei (favours)” open=”0″ style=”1″]

tema interpretado por silvia blanco no cd umalali the garifuna women’s project. este álbum reúne canções interpretadas por mulheres garífunas, com o  intuito de contar suas histórias e difundir a cultura garífuna para as novas gerações.

[/spoiler] [spoiler title=”afropolca” open=”0″ style=”1″]

de  rolando chaparro, que é um músico paraguaio e fez parte da cena de rock do paraguai nos anos oitenta, além de particicpar de grupos de jazz e canção popular. em 2004,  com o espetáculo afropolca, chaparro buscou combinar a música paraguaia com ritmos das culturas afro-americanas. o destaque fica para os tamborileros del kambakua, no paraguai, que são representantes da cultura afrodescendente neste país e contribuíram para a construção deste projeto.

[/spoiler] [spoiler title=”pé na areia” open=”0″ style=”1″]

de leandro maia. a canção faz parte do cd mandinho, de leandro maia, cantor, compositor e violinista gaúcho, que reuniu um repertório que contempla o universo e o imaginário infantil, além de se transformar em um espetáculo de bonecos. todas as faixas são inéditas e o disco conta com a colaboração de músicos reconhecidos no meio popular e erudito. “pé na areia” traz  leandro maia  e kako xavier nos tambores de maçambique.

[/spoiler]

compartilhe!

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
  • RSS
  • PDF
  • Email